A Rosa Murtoseira


Era vê-la, despachada a descer as Trinas, de mão na cintura e canastra à cabeça, apregoando os frescos que o mar dera nessa madrugada.
-Olhai que bela faneca, oh freguesas! Fresquinha do nosso mar!
Não havia na Madragoa figura mais airosa. O cachené brilhava-lhe caído pelos ombros, qual manto de cristal, onde o sol estampava a sua luz. O avental riscado e a cinta preta apertavam-lhe a anca, formosa silhueta que bailava alegremente pelas ruas de Lisboa, enquanto a blusa de chita as salpicava de cores garridas.
Viera da Murtosa, terra de muita graça, mas de pouco pão, onde a vida era ingrata, mas as gentes nobres e orgulhosas demais para se resignarem à sua sorte. Por isso, ela e tantas outras buscaram na capital o maná com que haviam de enfeitar a sua mesa e a dos que deixaram em casa.
Fê-la o destino nascer Varina, sina que abraçou e à qual obedeceu, enquanto as pernas lhe permitiram o escalar das sete colinas e a garganta resistiu ao cantar dos pregões.
Hoje já não canta, mas ainda encanta. No pátio onde mora não há ninguém que não conheça a Rosa Murtoseira, a mulher de palmo e meio, com o sorriso maior do que ela, que a todos cumprimenta com a mesma alegria, do alto da sua janela.
Por lá ficou, nas águas furtadas onde fez ninho, à par do Chico Madruga, o pescador que em tempos conheceu na Doca Pesca e que de tanto lhe puxar as fitas do avental, conseguiu "armar-lhe o laço".
Por lá fez a vida e os filhos, os pariu e educou.
À terra vinha a miúde, mas à morte dos pais e à partida dos irmãos para o Brasil, juntou-se a tristeza de olhar para as ruínas da velha Casa de Alpendre onde nasceu e se fez mulher, cobertas de silvas, entregues à má sorte do abandono.
Hoje já não ruma a norte, mas nos seus olhos ainda podem ver-se reflectidos a ria e o mar, que lhe habitam a alma e os sonhos.
-Lá vai a Rosa peixeira, com olhos da cor do mar, da Murtosa para a Torreira, sempre a rir e a cantar. Lá vai a Rosa peixeira, lencinho de cachené, alecrim na algibeira e chinelinha no pé; canta-lhe o Chico, nos dias em que se demora na tasca e chega a casa com um "grãosinho na asa".
E a Rosa sorri, vaidosa. Lembra o passado e orgulha-se das lutas e canseiras.
Tem saudades da lota e das freguesas. Os tempos eram de fome, mas alegres, e o trabalho animava-a.
Orgulha-se da coragem com que enfrentou e ultrapassou o infortúnio, sem queixumes.
-Pesou-me sempre mais a cruz da vida, do que a canastra; desabafa.
Se hoje algo lamenta, é o facto de já não lhe sentir o peso, ao cimo da nuca.

Francisco Vieira

5 comentários:

  1. Texto magnifico sobre as saudades da terra, mas mais ainda das saudades da Vida!

    ResponderEliminar
  2. Caro amigo Francisco;
    Mais um texto brilhante, magnificente; retrato de uma personagem da beira-ria em vias de extinção que as gerações vindouras poderão conhecer através deste testemunho, verdadeiramente sublime.
    Parabéns.
    Um forte abraço.

    ResponderEliminar
  3. Meu querido Francisco

    Não tenho palavras para comentar tanta beleza e vida que imprimite no teu texto.
    Apenas digo...magnifico.


    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  4. Vc e seus textos lindos!
    Adoro!!!
    Bjs.

    ResponderEliminar
  5. Este texto lindo parece música...
    Beijo grande.

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Este espaço é seu. Use e abuse, mas com respeito, principalmente por quem nos lê. Francisco