A " Praia dos Tesos"


Antigamente chamavam-lhe a "Praia dos Tesos". Era assim chamada, por ser bem mais concorrida do que as praias de mar das redondezas. O Bico, como é também conhecida, é uma zona pescatória, banhada pela Ria de Aveiro, que pertence à Freguesia da Murtosa. Para a Torreira, a praia mais próxima, havia que ir de carro ou de camioneta. Esta ficava logo aqui a dois passos e por tanto mais acessível. O pessoal ia a pé, ou de bicicleta.

Aos Domingos principalmente, era um mar de gente. Logo a seguir ao almoço começava a ser visível o extraordinário movimento pela antiga estrada de paralelos, a única que dava acesso à Praia do Bico. Vinham não só da Murtosa, mas das freguesias circundantes, Veiros, Estarreja, Pardilhó, Bunheiro, Monte.

Primeiro viam-se passar os mais jovens, sózinhos ou aos pares, e só mais tarde se avistavam famílias completas a percorrerem o mesmo trajecto. Muitos vinham a pé, como que em romaria, quase sempre as raparigas caminhando na berma e os rapazes para o meio da estrada.

Quando vinham de bicicleta as posições eram basicamente as mesmas. Depois, em meados dos anos 70 começou a notar-se uma galopante proliferação de motorizadas, infelizmente. Digo infelizmente, porque essa tendência, provocou centenas de mortes na minha terra, nas décadas de 70 e 80, principalmente. Ainda hoje são visíveis as evidências dessa calamidade, nos nossos cemitérios. Um número bastante elevado de sepulturas de rapazes com idades entre os 16 e os 25, em média, que perderam a vida em acidentes desse género.

Nesse tempo era comum ver-se a rapariga de bicicleta e o rapaz que a acompanhava de motorizada, lado a lado, em direcção à praia. Uma vez chegados, iam-se encostando as bicicletas e as motorizadas aos muros e paredes circundantes, que formavam autênticos cordões de rodas e metal. Os carros eram poucos e quem os tinha deslocava-se para outras paragens. Daí ser o Bico rotulado de "Praia dos Tesos" (pobres). Existia apenas um café snack-bar que dava apoio a toda praia. Um pouco afastada existia uma tasca, mas que era mais frequentada pelos pescadores e moliceiros da zona que por lá paravam para "matar o bicho", antes ou depois das marés, ou enquanto trabalhavam nas embarcações amarradas ao cais.

O Bico tinha três cais de amarração. Actualmente não necessitaria tantos, mas nessa época estavam completamente cheios, entre bateiras de pesca e caça, barcos moliceiros e mercanteis. Do lado poente, entre o tal café e a borda-d’água, estendia-se um enorme terreiro onde rapazes e raparigas se juntavam para jogos e brincadeiras como a cabra-cega, o pisca-olho ou o lencinho-lenção.

Nas zonas circundantes, que iam até ao leito da Ria, a relva crescia abundantemente, fazendo as delicias dos namorados, que se iam estendendo aos pares, entre dois dedos de conversa e outros gestos mais intímos, a contemplar o céu azul e as águas cristalinas da grande lagoa, que se avistavam dali até à outra margem, e muito mais além, quase até ás Gafanhas. Ao fim da tarde era vê-los de regresso. Quantas vezes os que haviam chegado acompanhados, regressavam sós, por se terem desentendido, e vice-versa.

Eram também comuns as rixas e breves sessões de pancadaria entre os rapazes, motivadas por ciúmes das raparigas, mas no fim tudo acabava em bem. Eram tempos mais sãos. Não se ouvia falar em assaltos, drogas ou outros crimes. Ninguém andava armado. O muito que poderia acontecer eram as tais discussões e tareias. Questões de honra, como se chamavam, mas que nesse tempo eram resolvidas logo ali e não chegavam sequer ao conhecimento das autoridades, quanto mais aos tribunais. Cada um defendia-se como podia. Quem as apanhava, ficava-se com elas e que aprendesse a defender-se. Depois de quatro socos bem dados, ficava resolvido o assunto. Bem, pelo menos para aquele dia...

Era uma zona aprazível, que inspirava uma sã camaradagem. Um ambiente saudável, com ar puro e águas limpas, propício para agradáveis banhos de água e de sol. O café do "Zé do Bico" vendia codornizes fritas, bifanas, pires de moelas, de tremoços e amendoins. Cerveja sempre fresca, refrigerantes e gelados da Olá. Cá fora o Ângelo Maia vendia sacos de pipocas, primeiro só de uma cor e mais tarde coloridas, feitas ali, na carroça que transportava a panela quente. Mais tarde apareceram as moleiras, de Oliveira de Azemeis, que vendiam regueifas e cavacas e que descobriram ali um bom nicho de mercado.

Tenho muitas saudades desses anos, mas aceito a evolução dos tempos e a mudança dos hábitos e costumes. O que não posso aceitar foi a intervenção urbanística que fizeram à minha "Praia dos Tesos". As fotos que ilustram este post mostram a aberração em que transformaram aquele lugar.

Claro que não sou contra o desenvolvimento e o progresso, muito pelo contrário. Defendo que devemos evoluir e melhorar, mas pergunto ao Senhor Presidente, isto que fizeram no Bico pode chamar-se desenvolvimento? Que é isto? Qual foi a intenção? Embelezar a Praia?! Sei que isto não foi obra sua, mas como autarca a cumprir o terceiro mandato, gostaria sinceramente de saber a sua opinião sobre esta "obra", e se a mesma está condenada a ficar assim.



Este mamarracho de cimento que aqui construiram de norte a sul, serve para quê?! De inicio cheguei a pensar que pretendiam plantar ali uma parreira, mas o tempo foi passando e quanto mais olho para lá, menos entendo a finalidade daquilo. Feio, frio, impessoal, não tendo nada a ver com a nossa terra. Roubaram ao Cais do Bico, a alma Murtoseira.

E este "monumento", em homenagem ao barco moliceiro, foi assinado por quem? Pela vossa saúde! Como se não bastasse o mau gosto inicial, a obra que tem apenas 12 anos, encontrasse extremamente vandalizada. As estacas que a circundam e que sustinham as cordas em forma de cerca, estão podres. Das cordas nem sinais! Os focos de luz colocados um de cada lado do "monumento" estão partidos e cheios de água.


Uns arbustos feios e mal aparados, umas árvores de fraca raça, esganiçadas e desajeitadas. Para isto, mais valia terem semeado ali uns pinheiros. Como único acesso ao "monumento", uma estrada em terra batida e cheia de poças de água e lama....



Se tivessem deixado estar o Bico como sempre esteve e tivessem usado os muitos milhares de euros que aqui se gastaram, em infra-estruturas muito mais importantes e necessitadas na terra, era o melhor que tinham feito. De louvar a obra feita recentemente a nascente, que inclui o porto de abrigo, os WC's públicos e os armazéns para os pescadores, que faziam bastante falta, agora o resto, tenham paciência...

Não sei se existe um projecto decente para toda esta zona a poente, mas se não existe, é prioritário criar-se um, que desfaça esta aberração e que devolva ao Bico a simplicidade, mas beleza e dignidade que sempre teve. É isto que gostaria de ver na minha terra, neste novo ano, uma vez que estamos em tempo de desejos e resoluções.

Desejo-vos também, aos que lerem este post, que neste novo ano, todos os vossos sonhos e ânsias se concretizem. Abraços para todos.

Francisco Vieira

10 comentários:

  1. Boa noite Francisco,

    Desejos de um Feliz Ano Novo para ti e todos os que te rodeiam e que todos os teus sonhos se realizem :-)

    Deixa-me dar um recado ao teu "mano" velho:

    Manel, desejo-te um Feliz Ano Novo repleto de saude, paz e amor :-)


    Beijocas para os dois manos

    ResponderEliminar
  2. Olá Padrinho :)

    Segundo diz o velho ditado "Muda-se de moleiro, mas não se muda de ladrão", já deu para perceber que os autarcas regem-se todos pela mesma "cartilha". Não penses que isso só existe por aí Francisco,em Pombal infelizmente a situação repete-se em várias situações, tanto ou mais graves do que essa.... E assim se vai gastando o dinheiro dos contribuintes :(

    Francisco, como provavelmente já não terei tempo de voltar aqui, quero deixar o meu ABRAÇO para o Manuel e família, fazendo votos que 2010 lhes ofereça, muita saúde, paz, alegria, amor, esperança e a concretização de todos os sonhos.

    Para ti Padrinho e todos os que te são queridos, desejo que este novo ano vos realize todos os desejos, que a nossa amizade cresça e perdure no tempo e que tenhamos muito amor, alegria, saúde, paz, e muita esperança num futuro melhor.

    »»»»»»«««««« FELIZ ANO NOVO, PUTO »»»»»»»««««««««

    ABRAÇO-TE COM AMIZADE.

    Norberto

    ResponderEliminar
  3. Ana, com muita pena minha, mas não posso ficar na Rave, porque tenho que me levantar as 4h da manhã, ah ah ah ah ah... mesmo assim desejo-te um novo ano pleno de felicidade e que os teus maiores sonhos se realizem.

    ««««««««« FELIZ ANO NOVO, MIÚDA »»»»»»»»»»»»»»

    BEIJO

    Norberto

    ResponderEliminar
  4. Meu querido amigo, desejo a voce e toda sua familia um Feliz Natal, na mais perfeita paz do Senhor Jesus, que Ele ilumine sempre seus caminhos, te dando alegrias, conforto, amor, harmonia e muita serenidade, pois essa é a verdadeira essencia do Natal.fique com Deus e meus abraços fraternos....

    ResponderEliminar
  5. Amigo Francisco, um 2010 cheio de paz e harmonia para você e sua família.

    ResponderEliminar
  6. Pra você meu querido amigo, que esteve comigo nessa caminhada dos 365 dias que passaram, o meu mais sincero agradecimento e o desejo que 2010 seja de muito amor, paz, sucesso e realizações, que todos os seus sonhos se tornem reais, que esteja sempre cercado de sorrisos sinceros e abraços verdadeiros, esteja sempre na paz do Senhor Jesus... abraços fraternos e um Feliz Ano Novo a você e toda sua família.

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde, Francisco!

    Não podia deixar de vir cá para desejar-te um óptimo ano de 2010!

    Grande abraço e não abuses ;)

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde

    Um grande Ano para ti, Francisco. Até mereces... Não é aquela coisa, mas até mereces!!

    ;)

    ResponderEliminar
  9. Ólá Francisco

    Deixa que em primeiro lugar me dirija à Ana e ao Norberto, já que estou muito em falta para com eles.
    - Meus amigos, antes de mais as minhas sinceras desculpas pelo facto de só agora me dirigir a vós.
    Abradeço e retribuo o carinho desejando que este ano, seja tmb para cada um de vós a transcendência de todos desejos e do vosso estar na vida
    Ana um beijo e Norberto, um grande abraço para ti.

    Para ti oh Caçula, com quem eu já tive a oportunidadede comentar sobre os Bicos, que esta e tantas outras vontades tuas, se realizem. Que este Ano se torne para ti/vós, no culminar e realização de tudo quanto almejas

    Um abração (extensivo)do tamanho do Universo

    ResponderEliminar
  10. Ana, Norberto, Everson, Gilson, Catsone, obrigado por mais uma demonstracao de amizade.

    Cirrus, nao facas fretes! Nao tos agradeco :-)

    Manel, sei que compreendes que esta causa, nao sendo nova, é nobre. Assim conseguisse eu falar ao coracao de quem de direito.

    Abracos a todos

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Este espaço é seu. Use e abuse, mas com respeito, principalmente por quem nos lê. Francisco